TRADUCCIR AL...



diciembre 10, 2008

¿La Biblioteca más avanzada de Suramérica? Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Con un espacio de 21 mil metros cuadrados, 14 pisos y la más moderna tecnología fue inaugurada la biblioteca de la Pontificia Universidad Católica de Río Grande do Sul (Brasil):

Porto Alegre recebe um novo espaço cultural, para leitura, aprendizado e reflexão. A PUCRS inaugura no próximo dia 7 a sua nova Biblioteca Central Irmão José Otão, com 21 mil metros quadrados distribuídos em 14 pavimentos, com tecnologia avançada de rastreamento e identificação de documentos, auto-devolução e auto-empréstimo de obras, sendo considerada a mais avançada biblioteca da América do Sul. "É um novo conceito de biblioteca. O usuário terá mais autonomia e acesso facilitado aos conteúdos", explica o diretor, César Mazzillo.

Além disso, estão disponíveis mais computadores, em bancadas com iluminação especial, dezenas de salas de estudo coletivas e individuais equipadas com computadores, cadeiras e mesas confortáveis, rede sem fio de internet e espaços para descanso e leitura, com sofás, luz natural e tranqüilidade. Na solenidade de inauguração, às 10h, a Universidade também comemorará os seus 60 anos, lançando o livro "PUCRS - 60 Anos de História" e o 1º Catálogo de Pesquisa PUCRS 2008. O evento contará com a participação de autoridades, da administração superior e da comunidade acadêmica, com abertura da Orquestra Filarmônica da Universidade.

Ainda na Biblioteca, as áreas de conhecimento Ciência e Tecnologia, Linguagem e Artes, Humanas, Sociais Aplicadas, são representadas por cores. Os livros, periódicos, CDs ou teses de cada área, foram reunidos, e podem ser encontrados no mesmo local. O espaço não é restrito aos alunos, professores e funcionários. A comunidade pode usufruir da biblioteca para leitura de obras, jornais, revistas, utilizar os computadores, só sendo necessária a realização de um cadastro prévio. No 2º e 3º pavimento, por exemplo, há um espaço com mesas, cadeiras e sofás, criado para o aconchego, com abundante luz natural e visão das árvores, plantas e flores do Campus.

Dois pavimentos são dedicados aos acervos especiais e obras raras. O 6º recebe mapas, obras iconográficas e publicações da Universidade, disponíveis a pesquisa e leitura. O 7º está com o Delfos – Espaço de Documentação e Memória Cultural, com acesso restrito e ambientes próprios para estudo individual e em grupo, pesquisa, consulta e armazenamento de 24 acervos culturais e literários detidos pela Universidade.

Tecnologia
"O diferencial está na tecnologia", garante o diretor. Além da Pesquisa Múltipla, que possibilita pesquisas em várias fontes de informação da Biblioteca utilizando os programas Metalib e SFX, todos os exemplares estão recebendo etiquetas de identificação por radiofreqüência, o que deve ser finalizado no primeiro semestre de 2009.

Equipamentos como o guarda-volumes e o auto-atendimento darão autonomia aos usuários, o que, conforme o diretor, era prioridade. Os guarda-volumes são armários digitais com senhas voláteis, e serão usados por alunos, professores, funcionários e visitantes. Outros mecanismos, pioneiros no Brasil, também permitem o auto-empréstimo e a auto-devolução de materiais, sem a necessidade de atendimento no balcão.

A construção
As obras iniciaram em maio de 2006, e o primeiro passo foi construir a Torre de 14 andares a partir do centro da parte mais antiga. Depois começaram as reformas no prédio antigo, que tinha três andares. O antigo prédio, inaugurado em 1978, teve seus 10 mil metros quadrados reformados e outros 11 mil acrescentados. O que determinou o projeto de ampliação, explica a coordenadora geral da Biblioteca, Sonia Vieira, foi o crescimento do acervo e as necessidades de adequação dos espaços às demandas de tratamento e recuperação da informação.

Reinterpretações das linhas de Piet Mondrian, pintor holandês representante do neoplasticismo - que propõe reduzir a arte a funções matemáticas - marcam o design dos ambientes internos e estão presentes em painéis, portas, totens das estantes e lixeiras, dando a idéia de "janelas para o mundo da informação".

Espaço para deficientes visuais
A Biblioteca conta também com uma sala especial, no 2º pavimento do prédio, para atender deficientes visuais, composto de computadores e softwares especiais com mídia sonora. O ambiente reunirá dois microcomputadores, três fones de ouvido e um scanner para digitalização de textos, acervo, equipamentos e softwares com gravações sonoras em CDs, como os livros falados, além de internet, bases de dados e Portal Periódicos da Capes.

Cada pavimento tem uma história

Térreo
Setores responsáveis pela Aquisição da Informação, Coordenação de Serviços, Tratamento da Informação e Laboratório de Preservação e Recuperação. Esse andar conta com uma Sala de Estudos externa, uma Sala de Treinamento, local para realização de fotocópias, a Recepção e os serviços de empréstimo e devolução de materiais.

2º pavimento
Acervos das áreas de Ciências Humanas, no lado sul (em direção à Avenida Bento Gonçalves) e de Ciências Sociais Aplicadas, no lado norte (voltado para a Avenida Ipiranga). Há também um espaço aberto a toda a comunidade com recursos e serviços de tecnologia assistida voltada a pessoas com deficiência visual, com computadores, equipamentos e softwares com sintetizador de voz, que fazem a digitalização de textos e leitura de tela, além de um amplo acervo de livros falados recebidos da Fundação Dorina Nowill para Cegos.

3º pavimento
Acervos das áreas de Ciência e Tecnologia (lado sul) e de Linguagens e Artes (lado norte). Assim como no 2º pavimento, aqui bibliotecários atendem aos alunos, professores e pesquisadores para pesquisa bibliográfica e auxílio na elaboração de trabalhos acadêmicos. Também conta com equipamentos de auto-empréstimo.

4º pavimento
É o andar que não se mostra no elevador, onde fica a central de tecnologia da Biblioteca, a rede lógica de dados e de telefonia, somente acessível a funcionários.

5º pavimento
Área administrativa da Biblioteca.

6º pavimento
Acervos especiais e obras raras, mapas, obras iconográficas e aquelas publicadas pela Universidade. Esse ambiente, aberto à comunidade, também conta com salas de estudo individual e em grupo, com computadores.

7º pavimento
Delfos - Espaço de Documentação e Memória Cultural, com ambientes próprios para estudo individual e em grupo, pesquisa, consulta e armazenamento de acervos culturais e literários detidos pela Universidade. O acesso é restrito.

8º, 9º e 10º pavimentos
Espaços especialmente desenvolvidos para os alunos, professores e pesquisadores para estudos e produção de conhecimento. Nesses locais há mesas amplas, computadores com acesso à internet além de salas de estudo individual e em grupo. Somente o 8º andar está acessível, os outros serão disponibilizados futuramente, de acordo com a demanda.

11º e 12º pavimentos
São andares de reserva técnica da Biblioteca, que foi projetada para que possa crescer com o tempo.

13º andar
Lá está armazenado o acervo histórico, ou seja, materiais que não são tão procurados quanto os outros do chamado acervo dinâmico. Mesmo estando lá, continuam no sistema e acessíveis, bastando solicitá-los a um funcionário.



¿En servicios y tamaño qué tan cercanas están nuestras bibliotecas universitarias a esta nueva biblioteca en Brasil?
¿Es la biblioteca universitaria más avanzada de Suramérica?

1 comentario:

Alejandro Uribe Tirado dijo...

¿En servicios y tamaño qué tan cercanas están nuestras bibliotecas universitarias a esta nueva biblioteca en Brasil?
¿Es la biblioteca universitaria más avanzada de Suramérica?